Três anos e meio depois de se conhecerem numa oficina de pífanos, no Departamento de Extensão da Universidade de Brasília (UnB), Zé do Pife e as Juvelinas celebram a amizade e a parceria musical com o CD “De Brasília a São José do Egito” em que o mestre e suas discípulas exibem total afinidade artística. O álbum deve ser visto como um valioso documento, por conter o registro de um tipo de manifestação cultural, que passa distante do interesse da chamada indústria fonográfica.

O disco, gravado no estúdio Beco da Coruja, na região do Colorado, com produção musical, mixagem e masterização de André Togni, traz 16 faixas, sendo 15 de autoria de Zé do Pife, e uma, em homenagem ao mestre, assinada em conjunto pelas Juvelinas.

Valsa, baião, xote, coco, marchinhas e aboio são estilos musicais ouvidos no CD, aberto pelo tema instrumental Picote no morro. Chapéu de couro, Cajá Santana, Não vai Terezinha, Repenicado e Paradinha dão nome a outras faixas. Aboio do vaqueiro fecha o repertório. Teu olhar me faz chorar, permite a Zé do Pife fazer reminicências — lembranças de São José do Egito (PE) — e referências a Brasília. Num dos versos, ele diz: “É bonito ver, é bonito olhar/ A Praça da Alvorada muita gente a namorar/ É bonito ver, é bonito olhar/ Eu já vi as Juvelinas fazendo o povo chorar/As meninas Juvelinas que aprenderam a tocar.

Confira a música “Teu olhar me faz chorar” com Mestre Zé do Pife e as Juvelinas: